X Fechar
Combinação maconha e direção é comum em Porto Alegre

Postado por Sem Drogas em 30-10-2016 com nenhum comentário

Desde abril, o Centro Colaborador em Álcool e Drogas do Hospital de Clínicas de Porto Alegre vem testando quatro equipamentos que identificam o uso de drogas por motoristas por meio da saliva, chamados de drogômetro. O resultado do estudo ainda deve ser confirmado por análise laboratorial, mas já se pode concluir que o uso de drogas combinado ao volante é um problema real na Capital.

O professor Flávio Pechansky, coordenador do projeto, que vem sendo desenvolvido desde 2007 com incentivo financeiro da Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (Senad) e parceria do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e da Polícia Rodoviária Federal do Rio Grande do Sul, explica que o estudo foi feito apenas em vias públicas. “Para termos certeza do resultado, precisamos de confirmações laboratoriais que vão afirmar o quão corretos os aparelhos são”, conta. No entanto, ele já adianta que foi constatado que, apesar dos esforços envolvidos, o álcool no trânsito ainda é muito presente. A maconha foi a segunda droga mais frequente entre os motoristas. “Existe essa imagem que se trata de uma droga leve, e não é verdade. A maconha, na forma aguda, em altas doses, pode dobrar o risco de acidentes de trânsito”, garante o professor.

Durante os testes, também foram solicitadas as impressões dos agentes de trânsito a respeito do aparelho. “Eles acharam prático e eficaz, como o bafômetro. Como a ideia é que ele seja usado rotineiramente, essas características são importantes”, relata Pechansky. O professor também explicou que, para os agentes, é importante identificar quando o motorista está sob o efeito de alguma substância, mesmo que ele não tenha capacidade de distinguir qual é. “O que importa é se, mediante provas neurológicas, aquela pessoa se encontra apta para dirigir ou não.” Os agentes ainda poderiam ser capacitados de modo a identificar com mais clareza esses sinais.

De acordo com o coordenador, não cabe ao centro recomendar o uso do aparelho ao governo. “Minha função é testar as tecnologias que se apresentam disponíveis, avaliá-las mediante padrões científicos e reportar os resultados”, esclarece. Um relatório formal será enviado ao governo do Estado quando o estudo estiver concluído. Por enquanto, o centro não sabe precisar qual seria o investimento necessário para adotar o aparelho em larga escala, caso esse seja o desejo do governo.

{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/10/25/206x137/1_pageitem_25_10_16_20_30_50_pg_21-1360398.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'580fdd2104168', 'cd_midia':1360398, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/10/25/pageitem_25_10_16_20_30_50_pg_21-1360398.jpg', 'ds_midia': 'pageitem_25_10_16_20_30_50_pg_21.jpg', 'ds_midia_credi': '', 'ds_midia_titlo': 'pageitem_25_10_16_20_30_50_pg_21.jpg', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '530', 'cd_midia_h': '800', 'align': 'Left'}

Fonte: Jornal do Comércio

PRECISA DE AJUDA ?

Ligue: (47) 3371-0178 (horário comercial) | (47) 8808-9169 ou 9234-1746 (plantão)

Dispomos de serviços de resgate 24 horas.

www.clinicaverdevale.com.br


 

 

Publicado em: Destaques, Legislação

Compartilhar:

Comentários

Nenhum comentário ainda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>